quarta-feira, dezembro 19, 2007

A importância do contraditório e não da briga pessoal

Escrevi, esta semana, considerações sobre a maneira das autoridades reagirem à análises que não lhe são favoráveis. Normalmente dizem que a crítica não deve ser considerada por que ela é proveniente da oposição. Ou seja, a oposição não pode criticar e os aliados devem sempre elogiar. Quando alguém que não é do ramo, oposição político partidária emite opinião, logo vem a acusação de que o crítico se vendeu.

Alguns dias antes, neste mesmo espaço, eu comentei a maneira de como a imprensa tratou e noticiou um festival, pondo toda a relevância na presença da Velha Guarda da Mangueira, em pleno canavial de Aliança. O que chamei atenção foi que a imprensa resolveu noticiar e colocar em realce a presença dos cantores, cantoras e passistas vindo do Rio de Janeiro, obnubilando as demais presenças naquele Festival.

Creio, que após os sucessos da revolução Francesa, da conquista do direito de opinião, da relativização de todas os locais sagrados das verdades e de seus fazedores, uma pessoa pode reagir ao que foi dito e escrito e publicado. Sempre que se publica deve-se esperar reações. Apenas os ditadores, os que se julgam senhores da verdade, ainda entendem que as reações sempre devam ser de apoio. Pois bem, o texto "a importância que se dá é a importância que se tem" após ser publicado no blog “passo do carnaval” , recebeu uma crítica que, creio foi escrita por uma jornalista. Transcrevo:

O texto do senhor Biu Vicente seria muito verdadeiro se o próprio não tivesse nenhum envolvimento com a organização do evento. Sabemos que ele é parente próximo de Valéria Vicente, uma das principais organizadoras do Festival. Portanto, ele é parte interessada, seu desabafo não é o de um mero espectador... é de parte envolvida, está comprometido. É a reclamação de quem não se sentiu prestigiado pela imprensa. No Recife isto acontece o tempo todo. Todos acham que suas criações e projetos são os melhores do mundo. Só Freud!

Assim respondi a Sra. Ou senhorita Paloma Granjeiro:

Não há porque negar que sou eu parte do festival, não por ser parente de Valéria Vicente, mas por ter sido coordenador dos debates. É desalentador procurar desautorizar, via parentesco, a opinião de alguém. Aliás, são tantos os parentescos nos espaços públicos de Pernambuco em certas áreas, que este argumento não deveria ser mencionado. Não é uma questão de desabafo, é uma questão de por em debate uma opinião, como os jornalistas podem colocar a sua opinião. Da mesma maneira que a minha opiniãopode ser dita com o a de um interessado, creio que os jornalistas também possuem os seus interesses; os jornalistas têm interesses, os blogs e blogeiros também o possuem. Não disse que sou mero espectador, pois ninguém é mero espectador de sua vida; entretanto sei que alguns querem achar que podem definir-se apenas como espectadores ou construtores da história. Somos todos, inclusive eu ePaloma, construtores, criadores e espectadores das nossas histórias pessoal e coletiva. E todos temos o direito de expressar a nossa opinião e não apenas aqueles que são pagos para isso.

Pois é, a minha opinião é que o foco que a imprensa deu foi errado, mas foi a opção realizada pela jornalista. Mas o seu foco não tem que ser necessariamente o meu, nem o meu ser o dela. Agora, querer debater idéias com acusações familiares, e em uma cidade em que muito é realizado em torno de piscinas familiares, é desatino de quem não tem argumento. E ainda por cima vem com essa de Freud! Argumento ainda mais típico da ausência de argumento, pois quem o usa quase nunca leu mais que as orelhas de livros que comentam a obra do criador da psicanálise. Mas como diz Paloma, “No Recife isto acontece o tempo todo” Quando não se tem argumento procura-se desqualificar a crítica. E nem se percebe que com isso se desqualifica.

O crescimento de nossa cidadania ocorrerá quando pudermos discutir idéias sem a necessidade de incorrer em argumentos infantis que tocam na família do oponente. Espero que Paloma Granjeiro apresente argumentos mais consistentes e inteligentes para a negligência das matérias jornalísticas. O jornalismo é uma profissão séria e uma das vias importantíssimas para a construção do mundo livre, do mundo livre pensar; sem a crítica, sem o contraditório, a imprensa pode vir a tornar-se apenas um “press-release” feito por um e assinado por outros.

Quem já leu Aníbal Fernandes, Paulo Craveiro, Nestor de Holanda e outros grandes jornalistas pernambucanos tem outras necessidades intelectuais e saudades de bons textos nos jornais que pagamos.

Um comentário:

Valéria disse...

concordo inteiramente pai. Achei pertinentes os seus apontamentos no primeiro texto e não se tratava de defender ou não o festival canavial - que por sinal não está precisando de defesa - e sim de apontar o que ainda se valoriza na nossa sociedade.