quinta-feira, fevereiro 05, 2009

Carnaval dos artistas convidados

A gente ler os jornais e descobre que, sempre é uma Nova Descoberta, que o carnaval está chegando, nos próximos quinze dias. Tudo aprece arranjado, menos o espírito que já deveria ter tomado conta de mim, como tomou conta de muita gente com quem converso. Mas o carnaval, aprendi, é coisa de três dias, dias para serem vividos de maneira transversa, travessa, transpassada da alegria angustiante que teme o momento que “é de amargar”, quando aos loucos parecerão mais felizes; o carnaval, para eles parece que continuará sem definição de tempo, como pensaram os foliões do clube Náutico Capibaribe e Olinda Praia clube que, em algum ano dos sessenta dançaram como loucos até as seis da noite da quarta-feira de cinzas, dando início ao carnaval interminável que hoje se brinca no Recife e nos demais quadrantes do Brasil. (a memória falha e não lembro do ano, estou sem coragem e disposição para fazer a pesquisa que algum leitor fará).

Ao ver as manchetes do jornal do dia 4 de fevereiro, fiquei sabendo que o carnaval da capital do frevo terá a presença dos grandes passistas e cantores de frevo tais como Caetano Veloso, Mano Chao, Maria Rita, Fernanda Abreu, Afrika Banbaataa, Marina de La Riva, Pitty, Jorge Mautner serão as grandes estrelas que darão início e brilho ao carnaval do Recife. Evidentemente essas “estrelas dos ritmos pernambucanos” terão a companhia de gente secundária e sem grande importância, como o maestro Formiga, o maestro Spock e muitos outros artistas de estirpe pernambucana. Depois, em meu programa radiofônico Que História é Essa?, o entrevistado do dia, radialista Hugo Martins apresentava-se surpreso com a disponibilidade dos governos pernambucanos em contratar artistas de outras tradições culturais com o intuito de abrilhantar o carnaval pernambucano, enquanto que os demais estados onde o carnaval tem suas próprias características não convidam os pernambucanos para lá apresentarem-se durante os festejos momescos. Lembramos que essa é uma tradição antiga, pois, nos tempos dos bailes nos clubes, então da elite (Português, Internacional, Líbano, etc.) era bem mais fácil encontrar uma orquestra carioca animando o baile que as orquestras locais, Na verdade, Nelson Ferreira tocava mais no carnaval da Bahia do que aqui em Pernambuco. Claro está que esses espetáculos que são apresentados durante o carnaval, gratuitamente, é uma oportunidade para o segmento populacional mais pobre ter acesso a arte desses que nos visitam nesse período. A questão que se põe é: até que ponto esses shows auxiliam a participação ou fazem diminuir a verba para os grupos que mantém as tradições pernambucanas. Bem que shows desses artistas poderiam ocorrer e outros momentos do ano, mantendo, inclusive a gratuidade, devendo-se tomar o cuidado com os gastos, estipulando pagamentos compatíveis com o valor de quem visita e as possibilidades da bolsa que paga.

De algum modo todos nos divertimos durante o carnaval e cabe aos gerentes do bem comum encontrar, saídas e meios para manter a tradição e o bom gosto, ainda que se saiba que cada grupo tem suas preferências a respeito de que tradições manter e quais gostos são tidos como bens. Tomara que as tradições pernambucanas, essas que sugiram da luta de um povo em formação, sejam contempladas por aqueles que definem, financeiramente a que tradições auxiliar manter.

Um comentário:

Rosa disse...

Meu amigo, como você está bonito nesta foto! Um rosto que passa sapiencia, astucia, alegria de viver, determinação em continuar, esperança.
Taí, me lembrei sem querer dos nossos carnavais, dos bailes na casa de Berta "você diz que ela é bela, ela é bela sim sinhor, porem poderia ser mais bela, se ela me desse seu amor". Naquele tempo sim, era bom brincar. Hoje aproveito os dias feriados para ficar com minha família em algum lugar bem tranquilo e bem longe da folia do Rei Momo. Não é que não goste do carnaval, acho até que não existe brasileiro que não goste. Nós amamos o carnaval, a liberdade, a folia, o descompromisso com o amanhã, o deixar-se levar, o amor de três dias, a exaustão total,tudo isso é bem a cara do nosso povo.

beijos mil da amiga se sempre
Rosa Vasconcelos dos Santos - Vasconcelos dos meus pais e Santos do meu amado esposo.